Educação ajuda mulheres a superar traumas da violência no Pará.

Universidade do Estado do Pará realiza curso de terapia ocupacional para resgatar a cidadania de mulheres que sofreram com a violência doméstica

Foto: Divulgação/Agência Pará

Ela fez de tudo para “não provocar” ciúmes no marido. Com pouco mais de 16 anos, Angelina Firmina Neta se recolheu às tarefas do lar. Lavava, cozinhava e procurava estar sempre atenta às necessidades do marido. Afastou-se dos amigos e familiares. Vivia para ele. A recompensa por toda a dedicação veio através de um banho de álcool e um fósforo riscado. As marcas das queimaduras de terceiro grau que ela traz no corpo ainda hoje são uma amarga lembrança da primeira – não a única – vez que Angelina sofreu violência doméstica. Hoje, atendida por um projeto de resgate da cidadania para pessoas em situação de rua, realizado pelo curso de Terapia Ocupacional da Universidade do Estado do Pará (Uepa), ela se sente livre pela primeira vez. Saiba mais…

Fonte: Portal Amazônia, com informações da Agência Pará