Fisioterapia e Terapia Ocupacional incluídas no plano de carreira do Exército

O COFFITO e os profissionais podem celebrar mais uma vitória das categorias com a publicação da Portaria nº 85, da Escola de Formação Complementar do Exército (EsFCEx), que fixa o total de vagas no planejamento dos cursos e estágios gerais do Exército Brasileiro para o ano de 2016. Por meio desta Portaria, a Fisioterapia e a Terapia Ocupacional passam a integrar o plano de carreira do Exército, estando ambas contempladas no concurso público para o Curso de Formação de Oficiais do Quadro Complementar (CFO/QC), cujo edital está previsto para junho de 2015.

De acordo com informação disponibilizada pela EsFCEx, serão oferecidas 4 vagas para a Fisioterapia e 2 para a Terapia Ocupacional, podendo participar do processo todos os profissionais com idade igual ou inferior a 36 anos, comprovada até 31 de dezembro do ano da matrícula.
Para ingressar no Exército, os profissionais deverão realizar exame intelectual; de aptidão física; e serem aprovados na inspeção de saúde. Finalizado o processo, os selecionados participarão do Curso, em Salvador, pelo período de aproximadamente 8 meses e, somente após a conclusão deste, assumirão os postos, cujo local será definido com base na necessidade do órgão.

Segundo publicadopela EsFCEx, ao ingressar no quadro, a carreira oficial dos fisioterapeutas e dos terapeutas ocupacionais inicia-se no posto de 1º Tenente e prossegue com as promoções de Capitão (após o interstício de 62 meses), Major (após o interstício de 86 meses), Tenente-Coronel (após o interstício de 54 meses), e Coronel (após o interstício de 30 meses); sendo este o último posto da carreira, antes da aposentadoria. O salário inicial é de aproximadamente R$7 mil.

Conquista
Em 2014, o COFFITO participou de encontros no Quartel-General do Exército e no Ministério da Defesa, quando foi mencionada a importância da inclusão das profissões de Fisioterapia e de Terapia Ocupacional no plano de carreira do Exército.
A causa também foi pleiteada pelo Fórum dos Conselhos Federais da Área da Saúde (FCFAS), no qual o COFFITO ocupa a coordenação. Os membros do FCFAS reivindicaram a inclusão de mais profissões da área da Saúde no plano de carreira das Forças Armadas.

Fonte: COFFITO